Selection of words both in English and Portuguese:

 

 

MAR

 

Abriram-se as portas

Agora cai o dilúvio.

Lágrimas de Mar que regam o desastre da minha pessoa.

 

Pego tudo, 

Sugo todo

Teu mau pro meu buraco e o cuspo no papel.

 

Se falas de enjôo eu vomito por você.

 

Somos curandeiros da quântica,

asas peladas de anjos caidos.

 

Não te olho nos olhos sem te tocar a alma, 

Esta é a minha maldição.

Qual é a tua?

 

 

 

HOLE

 

There is a hole inside of me

That spins and spins and has no end

There is a hole inside of me 

That spins and spins and makes me this way

 

I suck you whole, I’m mad and ugly 

Tell me why don’t you want me

Tell me why won’t you kiss me

You see my beauty and chuck it Hell 

That just won’t do

 

There is a hole inside of me

That spins and spins and has no end

There is a hole inside of me 

That spins and spins and shapes me this way

 

I ask myself why don’t you want me?

I ask myself why do I want you?

I don’t even know you,

I don’t even care,

I’m always lying when I tell the truth. 

 

There is a hole inside of me

That spins and spins and has no end

There is a hole inside of me 

That spins and spins and makes me this way

 

Isn’t there beauty in three?

Isn’t there beauty in love?

We are all one can’t you see,

We are all sent from above.

 

There is a hole inside of me

That spins and spins and has no end

There is a hole inside of me 

That spins and spins and makes me this way.

 

 

 

AR

 

O espírito perde a voz

No frio do Espaço não existem vozes, 

 

Espíritos perdem a habilidade da fala, 

Não necessitam mais dela, 

mas desejam-na?

 

O céu, o dia e a noite.

 

O espaço não tem céu,

Não tem dia,

Não tem noite.

 

 

 

W.A.G.

 

Love vs Fear

Beautiful vs Ugly

Giver vs Beggar

Life vs Death

Right vs Left

Wrong vs Right

Now vs Not

 

Let the water come

Let the water in

Let the water clean

 

They were lovers that loved to hate each other,

One as dark as a New Moon Night

And one as Bright as the Mid-day Light,

 

Blown up balloons of empty speeches

Pointless news casts of outrageous reaches 

 

Let the water come

Let the water in

Let the water clean

 

Night and Day we were,

Good and Bad we were,

White and Black we were,

Now, We Are Grey.

 

 

 

SANGUE

 

Tenho teu sangue nas mãos,

Teu sangue roxo e quente,

Suave e ardente.

 

Tenho teu sangue nas mãos,

Mãos que te fazem carícias de socos

No estômago,

Mãos ábeis que te tiram o ânimo. 

 

Tenho teu sangue nas mãos

E não consigo lavá-lo,

Quero enxugá-lo em ti mas sempre falho.

 

Ao querer me acertar 

Fui de novo errado,

Falei demais,

Mais sangue derramado.

 

Diz-me tu o que fazer 

Para parares de sofrer.

Não vês que me infeta a tua dor?

 

Não quero mais fazer parte deste luto,

Eu busco só o que me faz bem

E te massacrar assim não faz bem para ninguém.

 

 

 

HARRY AND SAM

 

Up above the highest mountain

Up atop the tallest hill

There I found a girl I know

She gave me something of a chill

She makes me mad

Tells me;

‘I’m her lad,

‘Never touched the ground’,

I’ve been up there long.

 

Deep below the deepest well,

At the bottom of the sea,

There I found a man I know

With a serpent kiss for me, 

He makes me mad,

Tells me;

‘ I’m his lad,

Never left the ground’,

I’ve been down there long

 

Oh you thought I was the Earth below your feet;

But I was the Moon. 

 

Don’t break it off for me,

I’m tired of chasing the sun,

I’ll chase black holes instead.

 

 

 

O INTÉRPRETE

 

Comecei criança não querendo entrar no mundo mas vim porque me queriam.

Aprendi criança como me comportar,

Aprendi na adolescência aonde posso errar até seguir para longe para recomeçar

Fui interpretar.

Primeiro tive de me lavar,

Deixar pra trás velhas convicções e antigas amarras,

Aprender que tudo se justifica

E no seu devido tempo qualquer conduta moral se aplica.

Me esvaziei, 

Morri e recomecei,

O intérprete nunca julga seu personagem por mais atroz que ele seja,

Ele sabe que há sempre uma razão,

Por traz da máscara forte bate sempre um coração,-

E há loucos pra tudo no mundo.

 

Aí me acusas de interpretar sempre

Tentando compreender onde “Eu” estou

Mas esse “Eu” eu já não sou,

Ou melhor sou esse e muitos mais,

Sou todos que já fui e um dia serei.

Atuo sim, e faço sempre como no palco 

Porque fui entregue um guião ao decidir nascer

Com um fim certo porque viver é morrer:

 

Atuo quando falo porque não tenho nada a dizer,

Atuo quando rio porque não acho tanta graça,

Atuo quando choro porque fingo que a dor passa,

Atuo quando penso porque na cabeça não tenho nada.

 

Atuo a cada instante que dou tudo de mim.

Atuo porque desta tragicomédia eu já sei o fim

e me dedico a ela como se não o soubesse,

e quando a curtina desce

começo tudo de novo.

 

Sou intérprete de palavras que fingo ser minhas,

De manias que tenho por viver,

De piadas que há muito já ouvi,

E pelo muito que tenho por fazer.

 

Atuo sempre porque vejo o mundo como um palco

E sou animal porque é a única forma em que o espírito sente

Então eu sinto muito, e sinto muito se sentir tanto te incomoda,

Eu sinto muito,

Brinco com a vida porque na verdade não tenho forma,

Eu sinto muito,

Brinco com você porque quero te ver brincar

E tenho potes infinitos de amor para dar.

 

Me perco em sonhos de desejo muito mais cedo que pensei ser possível,

Como um castigo bom,

Um castigo que por ser mau me mostra o bem.

O mundo não é bom pra ninguém e o que fazer ao entender isso?

 

Continuo interpretando porque vivo ou fingo viver porque querer

Já queria morrer mas preciso de algum motivo,

Ainda agora comecei minha busca então ainda agora espero viver,

Interpretar, acreditar em alguma coisa.

Desilusão é descobrir que a felicidade morre sempre que você a reconhece.

Desilusão é descobrir que não posso mesmo ser feliz sozinho,

Desilusão é saber que tu meu amado, me vês como família, mas não acreditas no incesto.

 

Se me visses na rua virias meus dentes, meu grande sorriso e minha interpretada felicidade

Mas o maior riso de todos, aquele que mostra todos os dentes, é o sorriso da morte.

O presente, o presente da morte.

 

Mas assinei um contrato e meu personagem acaba de entrar no segundo ato.

Assim

Cansado recomeço,

De esperança nua recomeço,

O que é ou o que sou, apenas um intérprete de uma peça sem fim, 

Um improviso estruturado com um diretor ausente em que as regras não mudam mas você aprende a driblá-las.

 

Atuo sim e fingirei amar,

Brincarei de amor, dor, andar, morrer, sonhar e nascer de novo.

 

Sou intérprete porque simplesmente observo e reconheço ainda não ser o dono do meu destino.

 

 

 

 

 

Contact me if interested in more poems or publications.

 

 

 

EYES/ I's / EU's

 (Excerpt)

 

...

 

Mesmo que ao redor tudo parece cinza, dormente

O sol, o calor do mar astral

O tamanho do mundo real

As mesmas dúvidas em outros corpos

Os mesmos sons em outras docas

Ouvidos grunhidos perdidos em dedos partidos de estalar esperas

 

Sou um Congo um samba uma flor

Sou pedaços de um quê que chegou

Montado em cavalo real

 

Numa estrela cadente me acendo

Em um canto de breu surpreendo

Vampiros que temem a luz,

Mas a minha luz

seduz

 

...

VOID

 

In the Void there is no time

In the void there is no space

In the void there is no I

All is dead Grace

 

Emptiness comprised

Of Nothingness Combined…

The structure in our creator,

Look up at the night sky and see the stars,

What is the opposite of life?

E/SPAC/ÇE/O

 

There is endless space between 1 and 2:

 

1.01

1.001

1.0001

1.00001

1.000001...

 

Espaço é o que mais existe em mim,

Espaço, espaço, sem fim.